Escola como espaço de promoção de saúde emocional para seus alunos

0
478
Colégio Plank-Urbanova
Imagem: divulgação
Por: Prof. André Guadalupe – Colégio Plank 

Quantas transformações no corpo e na mente um jovem vivencia? Quantos sonhos e dúvidas eles carregam na jornada da adolescência em direção à vida adulta? Para ajudar nesse processo, a Escola pode e deve atuar também como promotora da saúde emocional de seus alunos com ações simples e cuidadosas em seu dia a dia.

Vamos conhecer alguns princípios que norteiam a ação de um Colégio que aposta em um olhar diferenciado para cada um de seus alunos.

Chegada da puberdade traz novos cenários, sonhos e metas

A vida é composta de desafios, que começam a atingir os adolescentes na fase da puberdade, quando grandes transformações hormonais podem modificar a forma como eles enxergam o mundo, as relações e seu dia a dia.

Com todas essas mudanças associadas, intensidade de emoções, crescimento de um modo de vida mais virtual, uso intenso de mídias sociais, as responsabilidades e necessidade de autonomia, à realização de exames vestibulares e outras exigências da vida moderna, muitos adolescentes ganham ainda mais no que pensar.

Nesses momentos, o Colégio mais que nunca deve estar atento aos anseios, expectativas e sonhos desses alunos, que logo terão que tomar suas primeiras decisões da vida adulta: escolha de profissão, mudanças de cidade e até formação de novos círculos de amigos. Mas essa fase de ampliação de consciência sobre os rumos de uma nova vida e da carreira também tem pontos positivos no tocante ao crescimento pessoal: o futuro está à frente, é um livro aberto, com páginas em branco para serem escritas da maneira que o estudante pode determinar e, com o devido apoio, pode ser uma verdadeira guinada em direção aos sonhos.

Nesse momento, qual é o papel o Colégio? Sem dúvida, é estar atento aos momentos emocionais de seus alunos, valorizar, orientar e manter as portas sempre abertas ao diálogo.

Princípios das escolas promotoras de saúde

Para autores do livro “Saúde Mental na Escola – O que os Educadores Devem Saber”, escritos pelos doutores Gustavo Estanislau e Rodrigo Affonseca Bressan, há princípios que devem nortear as escolas promotoras de saúde, entre eles:

◾ Prover ambiente saudável, que favoreça a aprendizagem;

◾ Dar importância à estética da escola, como um dos efeitos psicológicos positivos sobre professores e alunos;

◾ Promover participação ativa de alunos;

◾ Autoestima e autonomia pessoal devem ser desenvolvidos para promoção de saúde;

◾ Valorizar a promoção da saúde na escola e ter visão dos serviços que poderão fazer interface com a escola;

◾ Reforçar a importância do estilo saudável de vida, com ações atrativas que promovam bem-estar, entre outros.

Segundo Estanislau e Bressan, as orientações para que a escola promova saúde é que reconheça a responsabilidade na formação de estudantes como cidadãos, contribuindo com clima favorável que não provoque segregações, mas que estimule vínculos entre os jovens; além de ficar disponível para identificação precoce de problemas emocionais, que devem ser encaminhados para assistência.

Especialista nos conflitos adolescentes, o psiquiatra e educador Jairo Bouer também destaca que a escola é um dos principais locais onde os adolescentes podem discutir temas polêmicos e expor seus dilemas dessa fase da vida, justamente porque é o ambiente onde mais convivem, depois dos próprios lares.

Para o psiquiatra, quando a Escola promove uma parceria saudável com os pais, fica mais fácil tratar todas as questões pertinentes ao desenvolvimento de práticas que estimulem o equilíbrio emocional dos estudantes.

As orientações desses especialistas também reafirmam os dados de um estudo da Universidade de Rochester, divulgado neste ano no Journal Of Child Psycology and The Psychiatry, realizado com 38 escolas nos Estados Unidos, que aponta que jovens que têm bons relacionamentos com os amigos e até mesmo com os adultos que trabalham na Escola demonstram melhor saúde emocional.

Como o Colégio Plank atua?

Em seu projeto pedagógico, o Colégio Planck abraça todos esses princípios orientadores de uma escola que promove saúde, associados a espaços acessíveis aos jovens, com um olhar atencioso e constante sobre o estado emocional de cada um deles.

O Planck também constrói uma verdadeira rede de apoio para seus alunos, em parceria próxima com as famílias dos adolescentes, para que o Colégio e pais caminhem em sintonia para o desenvolvimento pedagógico e emocional de seus alunos.

Além disso, os professores são a outra ponta dessa rede de apoio, porque são preparados para repassar áreas de conhecimento com alto desempenho, mas também não perdem de vista as necessidades emocionais dos alunos. No Planck, todos, independentemente de suas diferenças, recebem atenção total de todos os colaboradores.

Com o desenvolvimento constante de competências e habilidades socioemocionais, que inspirem trabalho em equipe, respeito e cuidado, empatia e autocontrole, o Colégio desenvolve conteúdos e atividades que preparam o aluno não apenas para a carreira, mas também para a vida.

Como demonstraram os estudos, estabelecer relacionamentos entre amigos, professores, colaboradores da escola e pais pode promover muito mais saúde para a mente dos jovens, que querem se sentir conectados às pessoas, valorizados e bem cuidados.

 

Prof. André Guadalupe é Diretor e Cofundador do Colégio Planck.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here